Notícia

14/08/2017 16:15

PSDB realiza seminário sobre reforma política e posição do partido em meio ao cenário atual

Evento abordou temas como voto distrital puro ou misto; lista fechada ou aberta; tipos de coligações e financiamento público de campanha

Cientista político Itami Campos ao lado dos presidentes das executivas regional e metropolitana, Giuseppe Vecci e Thiago Albernaz

A Executiva do PSDB de Goiânia e o Instituto Teotônio Vilela (Seção Goiânia) realizaram, no sábado (12), o primeiro de uma série de seminários cujo objetivo é o alinhamento da posição partidária e a formação política.

Neste primeiro seminário, dirigentes, parlamentares e filiados discutiram o atual momento político, a posição do PSDB em meio ao cenário de crise e a proposta de reforma política que tramita no Congresso.

O evento foi aberto pelo cientista político Itami Campos, que palestrou sobre quatro pontos da reforma: voto distrital puro ou misto; lista fechada ou aberta; tipos de coligações e financiamento público de campanha.

“É extremamente importante e urgente que discutamos questões políticas nesse momento. O Brasil precisa recompor as suas forças e a reforma política traz um eixo de discussão no debate da reconstrução do país”, afirmou Itami, acrescentando que não existe outro jeito de recompor o Brasil “se não por alianças grandes e, sobretudo, comprometidas”.

Os deputados federais Fábio Sousa e Giuseppe Vecci foram os debatedores do seminário.

Vecci, que também é presidente do PSDB em Goiás, iniciou o debate frisando a necessidade de se reformar o sistema político. “Precisa de muitas mudanças e temos, agora, a oportunidade de fazê-las. Se será a melhor reforma, eu não sei. Mas é a reforma que é possível fazer em 40 dias”, pontuou. O parlamentar referiu-se ao fato de que a reforma precisa ser aprovada até 30 de setembro para ter validade nas eleições de 2018.

Fábio Sousa demonstrou ceticismo em relação à aprovação da reforma política no Congresso, mas apontou os pontos mais importantes e, que, segundo ele, vão ser a grande polêmica do Congresso: fim das coligações; cláusula de desempenho; distritão e financiamento de campanha.

 “Confesso que tenho muita dificuldade em acreditar que a reforma irá andar, apesar de notar, em alguns temas, maior engajamento”, explicou.

A exemplo de Vecci, Fábio defendeu a extinção do corporativismo político por meio de “urgente apresentação de uma reforma de Estado”.

“Não tem jeito de o Estado brasileiro continuar inchado, continuar um elefante obeso. Trago comigo uma frase do Vecci de quando ele era secretário de Planejamento e, eu, deputado estadual. Ele dizia: não tem jeito de 70% ficarem nas mãos de 400 mil pessoas e 30% ficarem para seis milhões de pessoas aqui em Goiás. Hoje, o que está acontecendo no Brasil é isso”, avaliou o deputado. Eles também convergiram em relação à necessidade de se fazer uma reforma tributária.

Presidente do PSDB de Goiânia, Thiago Albernaz fez um balanço positivo do seminário e agradeceu a participação e envolvimento dos presentes. “É bom notar que o PSDB se faz representado aqui por diversas frentes”, declarou.

Também presente ao evento, o secretário de Governo, Tayrone di Martino, elogiou a iniciativa do PSDB e ITV-Goiânia. “Parabenizo todas as pessoas que estão envolvidas nesse projeto de formação. Acredito que, na vida política, a formação é mais importante do que qualquer outra coisa. Porque a gente precisa defender aquilo que a gente acredita e ter consciência do que queremos para o bem do nosso país e nação”, sublinhou.

A reforma política está na Câmara dos Deputados. A expectativa do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é de votar a proposta, em plenário, até o fim deste mês para depois encaminhá-la ao Senado.

Assessoria de Comunicação do PSDB Goiás

 

 

 

Facebook

Twitter