Notícia

25/04/2017

PSDB tem papel de destaque na reformulação do Plano Juventude Viva

Plano Juventude Viva está sendo reformulado para trazer mais oportunidades de inclusão social a jovens negros que vivem em situação de violência no país

Foto: Divulgação

Lançado em 2013 com o objetivo de reduzir a vulnerabilidade de jovens negros que vivem em situação de violência no país, o Plano Juventude Viva está sendo reformulado para trazer mais oportunidades de inclusão social a essa parcela da população. A restruturação do programa – que tem como prioridade os municípios brasileiros que concentram a maior parte dos homicídios contra jovens negros, segundo os dados do Mapa da Violência – conta com uma importante contribuição do PSDB tanto na Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) quanto na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), órgãos responsáveis pela coordenação do Juventude Viva.

Na Seppir, o PSDB é representado por Juvenal Araújo, secretário de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e presidente do Tucanafro. Já na SNJ, o tucano à frente da reformulação do plano é Vitor Otoni, diretor de projetos da Secretaria Nacional de Juventude e secretário-geral da Juventude do PSDB. Para eles, a necessidade de mudanças no projeto é urgente diante do quadro de extrema vulnerabilidade enfrentado pelos jovens negros em todo o país.

“Hoje, a cada três jovens assassinados, dois são negros. E sobre o feminicídio, que é o assassinato de mulheres: nos últimos dez anos, 70% das mulheres assassinadas no Brasil são jovens, negras, pobres e que moram na periferia. Nós acreditamos que, com o Juventude Viva, nós possamos mudar essa realidade de vulnerabilidade, para que nós possamos realmente tratar os jovens com respeito, principalmente o jovem negro”, destacou Juvenal Araújo.

De acordo com Vitor Otoni, a restruturação do Plano Juventude Viva é baseada em três ações centrais: a elaboração de um relatório geral das atividades realizadas no programa desde 2013, para verificar quais foram os resultados obtidos pelos estados e municípios onde o projeto foi implantado; a produção de um diagnóstico geral da realidade atual do programa, com base nas informações que estão sendo levantadas; e a estruturação de um plano nacional de reformulação do Juventude Viva,

A reformulação do plano terá como base os seguintes pontos: a prioridade às cidades que tenham conselhos municipais de juventude instituídos; a criação de mecanismos que facilitem a participação de estados e municípios nos editais dos programas relativos ao plano; o estabelecimento das metas e objetivos do programa; a implantação de núcleos de articulação territorial; e a instituição de um projeto referencial de implantação do programa Juventude Viva.

“O nosso objetivo é que o Juventude Viva leve para o jovem que está em risco de vulnerabilidade a esperança de um país melhor. Queremos dizer para esse jovem que ele não precisa da vida do crime e que ele vai ter oportunidade. Com isso, levando sonho para esses jovens, a gente espera reduzir esses altos índices de violência”, disse Otoni. “O jovem morto reduz a esperança em um futuro mais próspero”, resumiu o diretor de projetos da SNJ.

Descaso petista
Tanto Juvenal Araújo quanto Vitor Otoni acreditam que o Juventude Viva não conseguiu apresentar os resultados desejados desde que foi implantado, em 2013, em razão do descaso do governo petista com o projeto. Para eles, a gestão de Dilma Rousseff não priorizou o desenvolvimento de ações concretas voltadas à juventude negra.

“O avanço [do programa com o PT] foi muito pequeno. Nós precisamos capacitar os gestores de juventude e dar subsídios a eles para que, nos municípios e nos estados, as políticas necessárias sejam implantadas. Infelizmente, o pouco avanço deu-se à pouca importância que foi dada ao programa para esses jovens”, ressaltou Juvenal.

“Houve muito blá blá blá. Pegaram o programa, uma ideia muito boa, fizeram vários eventos, várias reuniões, mas como não tinha meta nem objetivo, não se teve resultado, e isso gerou o que estamos vendo hoje”, argumentou Otoni. Segundo ele, a prioridade da nova versão do plano será dada, num primeiro momento, aos dez municípios com os maiores índices de violência  a contra a juventude negra.

A portaria interministerial que reformula o Plano Juventude Viva já foi finalizada deve ser encaminhada para publicação nas próximas semanas.

Fonte: PSDB Nacional

Facebook

Twitter